Vou te pedir que nesse momento imagine que daqui a pouco, você vai precisar apresentar um trabalho importante, ou que precisa falar algo com alguém, mas não sabe qual será a reação dessa pessoa. De repente, você é lançado no futuro, onde todas as possibilidades catastróficas podem ocorrer e deixa-lo sem chance de reação.

Como nosso cérebro possui a capacidade fantástica da imaginação (imagem+ação= o que imaginamos toma forma e  movimento), nosso organismo processa a informação de que o que mais tememos não está apenas no mundo abstrato, mas no concreto, como se estivesse ocorrendo

no aqui e agora.

Nesse instante, nosso sistema nervoso dispara informações de que corremos um grande perigo e aciona todo o nosso organismo para que possamos lutar ou fugir. Parece loucura, mas é assim que o  corpo reage diante de algo ameaçador, seja real ou não (Vamos deixar para falar sobre o princípio da realidade em outra oportunidade).

Com esse movimento de “pré-ocupação”, antecipamos os acontecimentos a fim de saber o que pode acontecer e manter o controle da situação. A única coisa que se alcança com essa ação é a aniquilação do presente e acabamos por experimentar a vida com fluxos interrompidos.

Essa interrupção ressoa em nossa respiração, nos batimentos cardíacos, na organização dos pensamentos, na possibilidade de exercer todo o potencial criativo e de convívio com as pessoas ao  redor.

A mente é invadida por um monte de “E se...”, e de tantas possibilidades existentes entre as reticências, o mundo paralisa, congela, por não saber qual é a melhor escolha, qual é a melhor decisão a tomar, afetando desse modo os sonhos e projetos.

O nome dado para o aqui descrito é “ANSIEDADE”, isso mesmo, com letras maiúsculas porque é desse modo que se percebe o mundo quando ela chega. Você se torna pequeno e frágil enquanto o ambiente se transforma em algo gigante e ameaçador. Mal se consegue respirar, o coração sai a galope parecendo que vai estourar, a pele torna-se fria e sem vida, há a sensação de que o chão não existe e que a qualquer momento tudo vai desabar e não existe saída.

Só quem passa por essa situação, sabe o quanto ela é paralisante e dificulta viver a vida de maneira livre, realizando escolhas saudáveis que o levem a concretizar os projetos, gerando desse modo uma percepção distorcida de si e do mundo que o permeia.

A ansiedade é desencadeadora de outros transtornos, como a depressão, isso quando não vem associada a ela, fazendo com que o homem entre em um ciclo evitativo das questões que causam desconforto e medo.

O sentimento do medo é natural e necessário para a autopreservação, mas quando é exacerbado, gerando desconforto e impedimento, é preciso buscar auxilio para compreender o que atormenta o nosso SER.

Ansiedade não é um grande medo, ansiedade é a impossibilidade da expansão da vida, o cerceamento dos sonhos e o aprisionamento de uma existência. Ela vai além, e somente quem a vive pode dizer o seu significado pessoal e intransferível, em consonância com a biografia de vida: abandonos, medo de ser insuficiente, medo de errar, medo da imperfeição, violências e uma variedade de coisas inauditas.

Lidar com a ansiedade não é fácil e requer desenvolver autoconhecimento para compreender que o que antes era aterrorizador, agora não é mais. Que mesmo tento esse tigre junto a você, você encontrou força e coragem para chegar até aqui.

É preciso atualizar suas emoções e sentimentos, para que suas asas possam abrir e levantar o mais alto voo para onde desejar.

 

 

Você pode

Busque ajuda

E acredite.

Ansiedade: Sem tempo para o agora

678b20b7e76e3c81baa4f8c6ee1bc656.png